PodCast “Loucos pelo Loucos” 34B – “Hospício” – Fórmula E

Salve galera amiga do podcast “Loucos pelo Loucos”.

A edição 34 do programa vem com uma novidade, uma edição B, onde apenas os muito loucos por automobilismo seriam capazes de passar horas gravando!

256789_515305__l4r1392

A edição extra foi carinhosamente baseada de “Hospício”, onde os participantes estavam muito loucos pela Fórmula E e o título do brasileiro Nelson A. Piquet.

IMG_8506

A edição normal do programa sairá na sexta-feira (03/07), pois demos prioridade para a gravação do especial da Fórmula E, que contou com a presença do melhor diplomata deste país, o grande Vinícius Afonso do “Bandeirada”!

Nesta semana o Daniel Gimenes participou ao vivo do programa “Bandeirada”, que o amigo pode baixar acessando o “Blog do Roli” – www.blogdoroli.com.br ou clicando na imagem abaixo:

bandeirada logo

Facebook dos membros do programa:

Daniel Gimenes, Welington Leal e Gustavo Pfuhl.

Twitter do Vinícius Afonso:

@vinna_afonso

Clique aqui para baixar o programa no 4Shared.

Clique aqui para baixar o programa no MEGA.

Tamanho do arquivo: 97.4 MB

Duração: 1h 43m 59s

Recomendamos baixar o programa utilizando o navegador Google Chrome.

nelsinho-largou-na-16-colocacao-na-segunda-prova-do-fim-de-semana-em-londres-e-acabou-no-oitavo-lugar-1435510717747_956x500

Segue abaixo os highlights de todas as etapas da temporada 2014/2015 da Fórmula E

Etapa 1 – Beijing (China)

Etapa 2 – Putrajaya (Malásia)

Etapa 3 – Punta del Este (Uruguai)

Etapa 4 – Buenos Aires (Argentina)

Etapa 5 – Miami (EUA)

Etapa 6 – Long Beach (EUA)

Etapa 7 – Mônaco

Etapa 8 – Berlim (Alemanha)

Etapa 9 – Moscou (Rússia)

Etapa 10 – Londres (Reino Unido)

Etapa 11 – Londres (Reino Unido)

Nossos endereços na web:

Facebook: 
Grupo Formula Full
Páginas do Loucos pelo Loucos
Twitter Formula Full: @DanielGimenes79
Instagram: @formulafull
Canal Formula Full no Youtube

Clique aqui para acessar todos os programas.

Gasolina na veia galera!

Piquet conta com ajuda de Senna e é campeão

Em decisão de tirar o fôlego em Londres, Nelsinho Piquet honra o sobrenome e se torna o primeiro campeão da Fórmula E

A Fórmula E veio para ficar, ainda mais que recentemente as potências do G7, os sete países mais poderosos do planeta, assinaram um acordo que prevê o fim da utilização dos combustíveis fósseis até 2100. Não bastasse este fato como forte argumento para o mundo da velocidade começar a levar a categoria mais a sério, o primeiro e histórico campeonato com carros elétricos chancelado pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), atraiu milhões de fãs pelo mundo, fez corridas espetaculares, e na decisão do campeonato o show foi soberano. Show este que teve o Brasil como grande protagonista, sendo a pátria do primeiro vencedor de uma prova na categoria, como também do primeiro campeão.

Desde a abertura na China, vencida por Lucas Di Grassi, até a vitória final de San Bird em Londres, a temporada 2014/2015 da Fórmula E venceu preconceitos e deu show em organização e interação com os fãs. O final londrino foi dos mais disputados de qualquer categoria do automobilismo mundial, e tirou o fôlego dos fãs, principalmente dos protagonistas na disputa pelo título.

A decisão

Nelsinho Piquet chegou numa posição confortável para ser campeão, afinal, liderava o campeonato com sobras, e bastava apenas se manter a frente de Sebastien Buemi e Lucas Di Grassi para vencer sem maiores complicações, ou até mesmo atrás, desde que não muito.

A etapa de Londres foi a única em formato de rodada dupla na temporada, o que aumentou ainda mais a tensão para a decisão. Na corrida do sábado Buemi venceu e Nelsinho chegou apenas na quinta posição, diminuindo para cinco pontos a vantagem do brasileiro para a derradeira etapa. Lucas Di Grassi terminou em quarto e com a melhor volta anotada na corrida viu a diferença para o líder Buemi ficar nos 13 pontos.

A classificatória para a segunda corrida no domingo adicionou uma pitada maior de drama, principalmente para os brasileiros. A chuva atrapalhou tanto a classificação de Nelsinho e Di Grassi, este melhor colocado no grid, partindo da 11ª posição. Piquet amargou um 16º lugar, o que o deixou claramente abatido antes da prova. Para piorar Buemi aproveitou um momento com pista mais seca, e marcou o 6º tempo. Mas um novo e decisivo protagonista foi adicionado à disputa, Bruno Senna, que fez um ano dos mais fracos na ratíca Mahindra, partia logo a frente de Buemi, e ali permaneceu até o final da corrida.

Rodrigo Piquet, primo de Nelsinho, agradeceu a Bruno Senna pelo Instagram.

Com Piquet largando atrás, em um circuito travado, ondulado e sujo de folhas, na verdade bem abaixo do padrão da Fórmula E, Buemi passou para a condição de favorito absoluto na decisão, e contando ainda com um “Fan Boost” precioso para ser devidamente utilizado em momento decisivo. Nelsinho Piquet também recebeu um “Fan Boost”, assim como seu companheiro na NEXTEV TCR (outrora China Racing), Oliver Turvey.

Recuperação de Piquet

Nelsinho fez uma largada ousada e ganhou várias posições, até se estabelecer em 12º, e contando com problemas dos demais pilotos, como o toque entre Trulli e Sakon Yamamoto, foi escalando o pelotão intermediário até a nona posição, enquanto Turvey abria mais de seis segundos para os brasileiros. Buemi fez uma boa largada e superou Senna. Nelsinho entrou na volta 17 para trocar de carro, enquanto quase todos os demais entraram na volta 15, e antes da parada chegou a liderar a corrida. A tática inicialmente não surtiu o efeito pretendido, e o brasileiro retornou em nono, resistindo na saída para a pista às investidas de Nicolas Prost, que buscava superar o brasileiro para ajudar ao companheiro de equipe Buemi, equipe esta capitaneado por Alain Prost, adicionando mais um sobrenome famoso à disputa histórica. Assim como mais a frente Senna mantinha o quinto posto à frente de Buemi, após passar o suíço que tinha rodado. Algumas voltas mais tarde, a corrida teve a intervenção do safety-car em virtude de um carro que bateu na barreira de pneus e ficou em posição perigosa, dando a grande chance que Nelsinho precisava para se aproximar de Turvey. Na relargada, Piquet que também perseguia a volta mais rápida, o que lhe daria mais dois pontos na dramática disputa com Sebastien, superou com facilidade o companheiro de equipe, e na sequência superou Salvador Duran e ficou na oitava posição, colado em Di Grassi, Buemi e Senna, que formavam um “trenzinho” antes dos quatro primeiro colocados.

Senna resistiu às investidas de Buemi

O que se viu dali em diante foi de arrepiar, com o sobrinho de Ayrton Senna, antigo rival do pai de Nelsinho, o também grande Nelson Piquet, assumindo demasiados riscos para se manter a frente de Buemi, que teria caminho livre para a conquista do título caso superasse o brasileiro da Mahindra. O piloto suíço ainda tinha um “Fan Boost”, e que desperdiçou atrás de Bruno, ao tentar passar o brasileiro na reta, que defendeu bem a posição, mesmo sendo tocado por Buemi, o que aconteceu mais algumas vezes até o final. Senna segurou Buemi com unhas e dentes, garantindo o quarto lugar na prova, sua melhor posição na temporada, e a conquista para Nelsinho, o que gerou reclamações ainda no cockpit do piloto suíço, que ficou com o segundo lugar no campeonato. Nelsinho, como diversos pilotos, ainda foi beneficiado com a punição de 30s de Stephane Sarrazin, que cruzou a linha de chegada com 0% de bateria, apesar de até o momento não ter ficado claro o motivo da penalização do francês.

A foto postada por Kelly Piquet, irmã de Nelsinho no Instagram.

Sam Bird venceu então a corrida disputada em “casa”, com Jerome d’Ambrosio em segundo e Loic Duval em terceiro.

No campeonato Nelsinho, o grande campeão ficou com 144 pontos, um a frente de Buemi, que fechou com 143. Di Grassi terminou em terceiro com 133 pontos. Entre as equipes a E.DAMS Renault foi a campeã com 221 pontos, em segundo ficou a Audi Sport ABT com 157, e em terceiro ficou a NEXTEV TCR com os 144 pontos anotados por Nelsinho. Bruno Senna foi o décimo com 40 pontos, e sua equipe, a indiana Mahindra foi a nona colocada com 46 pontos.

Fluído de bateria na veia galera!

PodCast “Clube no Esporte” e coluna “Gasolina na veia” do jornal “O Liberal” – Fórmula E

Diferente da imensa maioria dos profissionais de mídia do Brasil, este humilde jornalista que vos escreve fez o possível para registrar a primeira prova de carros elétricos da história, que teve o brasileiro Lucas Di Grassi como o primeiro vencedor.

Segue aqui a minha participação no programa “Clube no Esporte”, da “Rádio Clube 96,3 FM” de Araçatuba, onde debatemos intensamente sobre a corrida, como também a minha coluna desta semana no jornal “O Liberal”, onde dediquei todo o espaço a registrar este momento histórico.

Clique aqui para baixar o programa.

Texto que escrevi no site da revista “Alternativa” do Japão:

http://www.alternativa.co.jp/Blog/View/48/568/Lucas-Di-Grassi-escreve-o-nome-na-historia

Coluna no jornal “O Liberal”, publicada no dia 16 de setembro:

Também nesta semana o Formula Full publicou o cartoon de Diogo Abreu Scudeller, registrando este mágico momento do automobilismo mundial:

Parabéns Di Grassi, e alta voltagem na veia galera!

Fórmula E – Mais um feito histórico para o Brasil no automobilismo

Podem dizer o que for os pessimistas com relação ao futuro do Brasil nas pistas, eu acredito piamente que ele será novamente glorioso, e que a falta de pilotos competitivos a nível internacional foi apenas passageira.

E no futuro que já chegou, mais uma vez o Brasil emplacou um feito histórico no automobilismo mundial. Lucas Di Grassi, em prova que também contou com Bruno Senna e Nelson Piquet, venceu a primeira corrida da Fórmula E.

Clique aqui para acessar a matéria que escrevi sobre a corrida no site da revista “Alternativa” do Japão.

Segue abaixo o vídeo da batida que determinou a vitória do brasileiro entre Nicolas Prost e Nick Heidfeld. Aprendeu direitinho com o papai heim Nicolas!

Alta voltagem na veia galera!